Ataques em Paris – Uma conversa online e aberta

Programa gratuito (sob inspiração do The Giver)
08/11/2015
Algumas notas sobre os desafios de empreender em rede
25/12/2015

ATAQUES EM PARIS 04-001

Uma conversa online e aberta com Augusto de Franco, Giovanni Bianco, Nilton Lessa, Luiz de Campos Jr. Sérgio Venuto,  Fernando Baptista e Thiago Padovan.

 

Um momento para conversar e refletir sobre os trágicos acontecimentos em Paris, seus sentidos, suas causas e reflexos.

– Por que o jihadismo está avançando no mundo?
– Quais os sentidos desses ataques para a democracia e a liberdade?
– Como os Estados estão respondendo aos ataques? E, de outro modo, como as pessoas estão agindo nessa situação?
– Uma guerra contra o Estado Islâmico é inevitável? É desejável? É necessária?
– Como conter o avanço do jihadismo?
– Como esses acontecimentos impactam diretamente nossas vidas?

 

PRIMEIRA PARTE DA CONVERSA

TRANSMISSÃO AO VIVO AQUI!

Comentários ou perguntas?

Deixe seus comentários ou dúvidas no campo de comentários abaixo.

  • Fernando Lasman

    valeu boa noite gente!

  • Fefa

    valeu!

  • guilherme witte

    valeu, galera!! madrugada por aqui…

  • Fernando Lasman

    mas eu acho que é bom que aspessoas se preocupem tambem com as varias coisas diferentes que vem acontecendo, independente das narrativas

  • Fernando Lasman

    boa observaçao da carla. acho que podemos entender que ha uma desestabilizaçao das estruturas que permaneciam antes na sociedade francesa. é um momento de criaçao tambem.

  • guilherme witte

    Combattre pour la liberté ou s’abandonner au Côté Obscur… Qu’allez-vous choisir?

  • guilherme witte

    O ataque foi difuso…cai a ficha q qq um pode ser alvo.

  • guilherme witte

    Ou seja, a manutenção do status quo geopolítico.

    • Fefa

      É isso aí! A permanência de uma mesma lógica… de pensamento e comportamento!

  • guilherme witte
  • guilherme witte

    Compartilho aqui essa percepção do Fernando Baptista. Os franceses falam da manutenção do seus estilos de vida.

    • Fefa

      O Estado tem procedimentos muito consolidados que tem haver com sua própria gênese. Eles sstão muito arraigados socialmente…

  • guilherme witte
  • Fernando Lasman

    augusto mencionou que os muçulmanos nao jihadistas sao a minoria do total deles. acho que isso se expressa no caso das vaias no estadio

    • augustodefranco

      Não, a maioria não é jihadista (não, pelo menos, no sentido literal do termo). Mas a ampla maioria é fundamentalista: porque o islamismo é um fundamentalismo.

  • Thiago Padovan
  • Fefa

    Que condições existem ou existiram que pra que essa (re)leitura do IE propiciaram a sua expansão e sua potência?

  • Deborah Munhoz

    Pelo pouco que sei, Jesus Cristo, veio para pregar o amor, não a severidade descrita no Antigo Testamento. Isto já foi uma mudança radical no Cristianismo. Nesse sentido tem uma “origem diferente do Islamismo. Cristo também disse: “Dar a César o que é de César. Dar a Deus o que é de Deus” Ele, além de não fundar o Cristianismo (ele já existia ANTES de Jesus Cristo, Cristo não fundiu Estado e Religião, Isso quem fez foram as lideranças em anos posteriores para apaziguar seus reinados.

  • Mauai Borala

    ao vivo agora.

  • guilherme witte

    ok

  • Fefa

    tudo certo aqui!

  • Voltamos! Acessem no link: http://youtu.be/yGZnfU20sQc

    • Cristina Bastos

      Mesmo aqui, no Brasil, encontramos pessoas que aplaudem esses ataques, isso ficou claro no 11 de setembro e agora, novamente em Paris. Na cabeça desses que defendem, ( vimos essas defesas nas redes sociais e em conversas nas universidades federais ) estão ” os malvados imperialistas x minoria. ” Concederam ao terrorismo o status de justiceiros. Essa é uma visão que a ” esquerda ” vem adotando com o apoio de alguns ditadores ( governos) ou só é parte da confusão própria daqueles que não compreendem nem investigam democracias?

  • Mauai Borala

    Boa noite, na frequência!

    • Fefa

      Tá tudo certo na sua transmissão?

      • Mauai Borala

        Não, estou ouvindo a gravação. Não estou ao vivo.

        • Thiago Padovan

          Conseguiram acessar o novo link?

  • guilherme witte

    caiu.

  • Fefa

    caiu a transmissão pra mais alguém?

    • Cristina Bastos

      Caiu pra mim também.

  • Marcia Cardinali

    Teoricamente as religiões abraâmicas: o judaísmo, o
    cristianismo e o islamismo, possuem o mesmo Deus único como objeto de
    adoração. Entretanto o Deus do islamismo, Allah, não tem amor pelos incrédulos e pecadores. Eles podem ser
    mortos indiscriminadamente. Além do mais, no Islamismo, a onipotência de
    Deus supera tudo, inclusive sua própria natureza.

  • Fernando Lasman

    uma reforma nao seria uma alteraçao nos textos fundantes? ou apenas nas suas decorrrencias? nao consigo entender qual seria a diferença da reforma que foi possivel nas outras religioes em relaçao a reforma no islamismo que nao é possivel.

  • Fernando Lasman

    o politicamente correto é uma reaçao normativa as opinioes das pessoas, eu acho. como se houvesse algo correto para as opinioes seguirem na politica. seria uma manifestaçao de um campo social autocratizado nao?

  • augustodefranco

    Alou pessoal!

  • Fernando Lasman

    Ola!

  • Fefa

    boa noite!

  • Quem estiver vendo, dê um oi aqui! 😀

    • Ronny Ferreira

      tudo ok

  • guilherme witte

    blz! direto de Paris

  • Conseguem visualizar o vídeo?

    • Glauber coutinho

      Sim. Agora melhorou, sem eco. Obrigado.

  • Começaremos em alguns minutos.

    • Glauber coutinho

      A voz do Nilton está com eco.

  • Olá, pessoal! Logo mais começaremos a transmissão da conversa.

    Deixem aqui seus comentários e perguntas.

    • Ronny Ferreira

      já estou a postos

    • Marcia Golfieri

      oioio
      i